26/06/2023

O Ruido e a Saúde

 

Exposição ao ruído é um perigo para os ouvidos!
 


Esta escala de níveis sonoros (em dB) classifica os sons ambientais em 4 categorias:

- Até aos 80 dB (verde), não há qualquer risco para o ouvido, qualquer que seja o tempo de exposição;
- de 80 a 90 dB (amarelo), aproxima-nos da zona nociva, mas os riscos limitam-se a exposições de muito longa duração;
- de 90 a 115 db (vermelho), o ouvido está em risco: Quanto mais forte o som, menor o tempo de exposição é necessário para provocar lesão;
- acima de 115 dB (vinho), os ruídos impulsivos provocam imediatamente lesões irreversíveis.

Sons e Ruídos: Legislação

 

Planilha Básica para Cálculo de Tempo de Reverberação
Planilha Cálculo Modal

 

A poluição sonora é composta pela quantidade excessiva de ruídos, de modo a causar danos à audição. Ela acontece quando o limite de decibéis considerado seguro é superado — e, a partir de então, o sentido pode ser prejudicado.

É muito comum em grandes centros urbanos, como por conta do tráfego ou de obras. Também ocorre nos ambientes de trabalho e, por isso, é um problema que demanda cada vez mais atenção.

Para não ter dúvidas sobre a questão, veja quais são os decibéis que caracterizam a poluição sonora e entenda melhor as situações críticas que podem advir daí.

Como é a caracterização dessa ocorrência?

Os decibéis indicam quão alto é um ruído, além de apontar o potencial de dano. No entanto, não são os únicos elementos que definem o cenário. A poluição sonora também é avaliada de acordo com outros fatores. Na sequência, veja quais são os aspectos de classificação e entenda melhor a situação.

Qualidade do som

Dependendo do nível, o som é classificado de alguns modos. O muito baixo é aquele quase imperceptível e seguido por opções como baixo e moderado. O alto e muito alto indicam algum nível de incômodo e fadiga. Já o volume ensurdecedor é a qualidade mais alta e pode ser, até mesmo, dolorosa.

Tipo de ruído

Na poluição sonora, também é possível associar a qualidade do som ao tipo de ruído. A queda de folhas é considerada baixa. Já a conversação normal fica em um nível moderado. A versão ensurdecedora está ligada a motores de grande potência, como os de aviões.

Decibéis

Como visto, o volume é medido por meio dos decibéis. Quanto maior ele for, maiores serão os danos causados. A exposição a um ruído que seja muito alto e de forma prolongada gera perdas severas, por exemplo.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o nível indicado é de 50 dB, no máximo. Acima disso, é possível já sofrer com perdas. Como certos equipamentos de construção podem gerar até 100 dB, é preciso ficar atento ao limite para evitar problemas futuros.

Quais são os impactos da poluição sonora?

A exposição a níveis maiores de decibéis causa, naturalmente, prejuízos para a audição. A poluição sonora tem potencial para gerar perda auditiva progressiva e mesmo criar condições incapacitantes.

O que pouca gente sabe é que ela leva a outros impactos no corpo. A seguir, veja quais são os principais.

Aumento do nível de estresse

Com o nível excessivo de ruídos, o corpo permanece em estado de alerta e não consegue relaxar. É algo que diminui a capacidade de se concentrar e prejudica, por exemplo, a produtividade no trabalho.

O corpo também começa a reagir e eleva o nível de cortisona. Isso faz com que o organismo fique em constante estresse, o que pode desencadear ansiedade e até alterações no apetite e no metabolismo. Na prática, amplia os riscos da obesidade.

Propensão a depressão

Como mexe com a química e com o funcionamento do cérebro, a exposição a elevados decibéis causa quadros psicológicos. De acordo com pesquisadores da Universidade Johannes Gutenberg de Mainz, é algo que aumenta em até 200% o risco de problemas como depressão e ansiedade.

Elevação do cansaço

Segundo uma pesquisa do Instituto Nacional da Vida no Trabalho, na Suécia, profissionais expostos a grandes ruídos no espaço laboral sentem mais dor de cabeça e fadiga. Isso prejudica o rendimento e o bem-estar.

Também é difícil pegar no sono em ambientes ruidosos, além de ele não ser tão reparador. Assim, há sensação de cansaço.

Aumento do risco cardíaco

O sistema cardiovascular é outra área que sofre com a poluição sonora. A exposição crônica pode levar a inflamações nas artérias, o que aumenta os riscos de um derrame ou infarto. O estresse elevado, a falta de sono e a obesidade também são fatores secundários capazes de ampliar o risco nesse sentido.

A poluição sonora é um quadro capaz de causar sérias consequências, então é importante respeitar o limite de decibéis. Com os devidos cuidados, a vida na cidade ou no trabalho fica mais fácil e a saúde, protegida.

A perturbação do sossego está entre os principais motivos de conflito entre vizinhos. É muito incômodo ter que suportar os ruídos da vizinhança, como o recorrente ressoar dos saltos altos ou gritaria de um vizinho festeiro. Porém, não só os ruídos e vibrações causados diretamente pelo ser humano é que causam problema. Os sons associados ao uso de máquinas e equipamentos podem vir a ser um grande problema acústico em edificações residenciais e comerciais.

Como tratar ?

A primeira etapa trata-se de verificar se os níveis sonoros estão acima dos limites permitidos por lei.  A avaliação do ruído ambiental no Brasil é realizada conforme recomendações e critérios de legislação em nível federal, estadual e municipal, prevalecendo a mais restritiva.
Os níveis sonoros para o ruído aéreo máximo também devem respeitar os limites para ambientes internos, em função de sua finalidade de uso, determinados pela NBR 10152. Caso os níveis sonoros medidos estejam acima do permitido, é necessário que o emissor (seja ele pessoa física ou jurídica) reveja o plano de operação das máquinas ou mesmo recorra a soluções técnicas como intervenções físicas no espaço para adequação acustica seja em pequenas instalações domésticas ou grandes projetos industriais.

O enclausuramento acústico - isolamento acústico, é uma técnica de confinamento de máquinas e equipamentos geradores de ruído, ao mesmo tempo que permite a troca de ar e ventilação dos motores. O enclausuramento pode ser total ou parcial, a depender dos objetivos acústicos desejados. A cabine de enclausuramento é construída a partir de materiais rígidos e pesados com resistência mecânica e durabilidade (como chapa de aço simples ou dupla), assumindo a função de barreira e protegendo o equipamento. Em determinados casos, são instalados visores nas portas das cabines para permitir melhor monitoramento dos equipamentos enclausurados. As chapas de aço, comumente utilizadas nas cabines, são materiais reflexivos. O tratamento interno das cabines com materiais porosos ou fibrosos de absorção, como mantas de espuma ou lãs minerais com resistência comprovada ao fogo, é capaz de aumentar a eficiência acústica da cabine. A ventilação dos motores pode ser obtida a partir da utilização de atenuadores e exaustores tratados, cuja função é permitir a troca de ar e calor entre os ambientes externo e interno e, ao mesmo tempo, evitar a transmissão de ruídos ao exterior. O dimensionamento de atenuadores varia em função de diversos requisitos mecânicos indicados em projeto, e o espaço disponível para colocação do atenuador no ambiente. Além do isolamento e tratamento das superfícies reflexivas das cabines, as máquinas ou a própria cabine devem ser apoiadas sobre amortecedores (como materiais resilientes, molas, borrachas especiais e neoprene) para impedir a transmissão de vibrações para a estrutura da edificação.

A transmissão de vibrações de máquinas e equipamentos também pode ser controlada. Ar-condicionado, bombas de recalque e até mesmo tubulações devem ser isolados da estrutura da edificação a partir de amortecedores ou coxins. Bombas de água gelada e de condensação, chillers e torres de resfriamento dos sistemas de ar-condicionado, por exemplo, devem ser fixados sobre bases de inércia e apoiados sobre amortecedores de mola ou calços de borracha. Mas existe uma infinidade de modelos de molas e amortecedores, sendo que somente o engenheiro mecânico saberá qual é o modelo e marca ideal para a sua aplicação.

Em torres de resfriamento, podem ser instalados atenuadores de ruído, tendo estes dispositivos a função de proporcionar a atenuação dos ruídos causados pelo conjunto de motores que promovem a movimentação do ar no interior da torre. Os atenuadores permitem a passagem de fluxo de ar nas torres de resfriamento atenuando o som através de estruturas lamelares na maioria dos casos. Estes dispositivos são eficientes para atenuar o ruído em diversos valores de vazões e velocidades de fluxo, mas deve ser dimensionado de acordo, sendo fabricados sob medida para cada aplicação. É um produto de alta resistência e durabilidade, geralmente fabricado em aço galvanizado e com preenchimento em lã de fibra mineral. O atenuador de ruído conta com proteção mecânica em véu de vidro e/ou tela de chapa de aço. Atenuadores de ruído podem também ser utilizados em salas de máquinas, chillers, condensadoras, salas de grupos geradores, exaustores, entradas e saídas de fluxos turbulentos, laminares de alta velocidade, entre outros locais.

Outras fontes em edificações, como elevadores, também devem ser tratados. Os motores e acionamentos dos elevadores, por exemplo, emitem ruídos que atingem, principalmente, os moradores dos pavimentos superiores. As soluções acústicas, nestes casos, podem ser a aplicação de materiais de isolamento e absorção, ou mesmo a substituição dos equipamentos antigos por outros mais modernos. Mas lembre-se que cada caso é um caso, sendo que não há uma solução genérica. O painel elétrico também é bastante ruidoso em seus contatos, visto que ele transmite vibração e dá picos de ruído que causam bastante incômodo.

Quais são alguns dos termos referentes à acústica?


| Absorção Sonora
A capacidade de materiais, objetos e do ar em converter a energia sonora em calor. As ondas sonoras refletidas por uma superfície causam a perda de energia. A energia não refletida é expressa pelo coeficiente de absorção.Por exemplo, caso um material reflita 70% da energia sonora incidente sobre sua superfície, o coeficiente de absorção sonora correspondente será 0,30.

| Coeficiente de absorção sonora ponderado, alfa ?w?.
O coeficiente aw representa, em um índice único, uma estimativa da absorção média de produtos que podem ser utilizados na análise de situações rotineiras como aquelas de escritórios, salas de aula, hospitais etc. Para ambientes com características especiais, deve ser usado o conjunto completo de dados de absorção em função da freqüência.

| Isolamento do Ruído
O isolamento de ruído, fornecido por paredes, pisos, divisórias ou partições, é apenas uma maneira de atenuar a transmissão de energia sonora de um ambiente para outro. A energia sonora pode ser transmitida por via aérea (som carregado pelo ar) e/ou por via sólida (som carregado pela estrutura). A propagação de uma onda acústica no ar se dá apenas por ondas do tipo longitudinal, isto é, a velocidade das partículas de ar ocorre na mesma direção da propagação da onda.

| Câmara Anecóica
Uma sala com extremidades (paredes, piso e teto) que absorvem praticamente todo o som incidente. Utilizada em laboratórios para medição de campos sonoros diretos a partir de sua fonte.

| Nível Sonoro Ponderado A
Uma medida do nível de pressão sonora determinada para representar a sensibilidade do ouvido humano, que não percebe igualmente todas as freqüências. O ouvido é menos eficiente no caso das freqüências baixas e altas do que no caso das freqüências médias ou na faixa da voz. Os efeitos das freqüências baixas e altas devem ser reduzidos em relação às freqüências médias para que o som seja descrito como perceptível pelo ouvido humano. O nível sonoro resultante é classificado como ponderado A, e sua unidade é o dBA.

O nível sonoro ponderado A também é chamado de nível de ruído. Os decibelímetros estão equipados com uma rede de ponderação A para medição de níveis sonoros ponderados A. A maioria das medições do ruído ocupacional, industrial ou ambiente utiliza ponderação A.

| Decibel (dB)
Uma unidade de nível sonoro que implica em dez multiplicado por uma relação logarítmica de potência ou alguma quantidade proporcional à potência. O logaritmo é na base dez. A intensidade do som é indicada em decibéis. Por exemplo: respiração, 5 dB; trabalho em escritório, 50 dB; avião a jato durante a decolagem a 300 m de distância, 130 dB.

| Freqüência (f)
O número de oscilações ou ciclos por unidade de tempo. Geralmente, a freqüência acústica é expressa em Hertz (Hz), sendo um Hz igual a um ciclo por segundo. Interpretada subjetivamente como a altura do som. Os seres humanos são capazes de ouvir sons com freqüências entre 20 Hz e 20.000 Hz.

| Sonômetro
O aparelho que converte as variações de pressão sonora no ar em sinais eletrônicos correspondentes. Os sinais fora das faixas de freqüência desejadas são filtrados e excluídos.

| Difração
A capacidade da onda sonora em contornar obstáculos, especialmente evidente quando o comprimento de onda do som é igual ou superior às dimensões dos obstáculos.

| Difusão
A dispersão ou a reflexão errática de uma onda sonora a partir de uma superfície. A direção dos sons refletidos é alterada de modo que o ouvinte possa ter a sensação de que o som incide sobre ele de todas as direções e com o mesmo nível.

| Reflexão
A quantidade de energia da onda sonora (intensidade do som) refletida a partir de uma superfície lisa e dura. A reflexão sonora pode melhorar a qualidade da transmissão de voz e música.

| Refração
A capacidade da onda sonora em curvar a direção ou alterar o sentido de propagação, à medida que se desloca de um meio a outro ou percorre áreas sob diferentes condições em um meio (tais como temperatura, densidade, umidade ou vento).


Quais são as frases-chave referentes à acústica em espaços arquitetônicos?
 

| Acústica Arquitetônica
O controle do ruído e de outros sons em um edifício, para permitir a comunicação adequada no espaço, e de seus efeitos sobre os ocupantes. A análise das propriedades dos materiais de construção para determinação de suas características referentes à audição clara.

| Nível de Ruído de Fundo
O nível de ruído no ambiente acústico, geralmente excluindo a respectiva fonte de ruído.

| Efeito ?Ruído de Festa? ou Efeito ?Coquetel?
O som em uma sala lotada e ruidosa, gerado principalmente pela conversação. A altura do som varia à medida que as pessoas competem entre si para serem ouvidas, isto é, falam cada vez mais alto.

| Privacidade de Conversação
O quanto uma conversação é ininteligível entre escritórios. Três graus de classificação são utilizados: Confidencial, Normal (Não-importuno) e Mínimo.

| Coeficiente de Redução de Ruído (NRC)
Um sistema de classificação de número único para coeficientes de absorção na faixa de freqüência da voz. O NRC de um material acústico é a média aritmética dos coeficientes de absorção a 250 Hz, 500 Hz,1.000 Hz e 2.000 Hz.

| Comprimento de Onda
A distância entre duas posições idênticas no ciclo ou na onda. O som que percorre o ar gera movimentos de compressão e refração em forma de onda. O comprimento da onda sonora varia com a freqüência. As baixas freqüências correspondem a comprimentos de onda mais longos. A velocidade de propagação da onda sonora é 344 metros por segundo.

| Condicionamento Acústico
Adequar o campo acústico interno à finalidade do ambiente, promovendo o conforto e a percepção de qualidade.

| Ruído Branco
O som caracterizado pela mesma quantidade de energia em cada faixa de freqüência linear. O ruído branco tem todas as freqüências, como exemplo, o chiado da TV (fora do ar). Uma variação do ruído branco é o ruído rosa, cuja energia é a mesma em cada faixa de freqüência oitava (logarítmica). No ruído rosa, predominam sons mais graves que agudos. Soa como o ruído do ventilador, cachoeira.

| dBA
A unidade ponderada A do nível de pressão sonora. 

 

 A acústica integrada na ambientação de ESCRITÓRIOS

Se propusermos a palavra escritório para uma pessoa, é muito provável que ela pense, em primeiro lugar, em muita gente, em corre-corre, em computadores, em telefones, impressoras, etc. Se, ao invés de simplesmente escritório, falarmos em ambiente de escritório, existe grande probabilidade de que essa pessoa idealize algo que ela própria gostaria de desfrutar, envolvendo gente motivada, numa atmosfera propícia, funcional, de bom gosto, bem iluminada e bem condicionada termicamente.

É assim que pensam os empresários quando querem sinalizar para o mercado o padrão de qualidade decidido para suas empresas.

Há, porém, nisso tudo, um importantíssimo esquecimento, que é justamente o modo de conciliar muita gente, corre-corre, computadores, impressoras, telefones, etc., com uma ambientação que não prejudique a boa disposição das pessoas, de modo que seu grau de motivação não fuja do padrão geral de qualidade pretendida.

Esse esquecimento compromete uma abordagem de projeto que no exterior se conhece por "acústica de escritórios", e que entre nós, paradoxalmente, ainda não é costumeira nos projetos de arquitetura.

A acústica integrada na ambientação de ESTÚDIOS DE GRAVAÇÃO
 

Dependendo do ramo de atividade de uma empresa, a qualidade do processo produtivo pode ser implantada em etapas, podendo-se também escalonar a melhoria dos seus ambientes funcionais desde que as condições iniciais não sejam impeditivas, ou seja, desde que não tenham sido tão mal resolvidas, a ponto de tornarem impraticáveis quaisquer ajustes posteriores.

Porém, em se tratando de estúdios de gravação, as possibilidades de ajustes são muito restritas, já que gravar sons com qualidade exige a busca da perfeição para esse ambiente, o que, por sua vez, implica no previa opção empresarial pela oferta, também no Brasil, das condições de excelência que nossos músicos e artistas acostumaram-se a ir buscar em estúdios no exterior.

Tais condições de excelência dependem de um projeto de instalações impecavelmente bem resolvido, desde o momento inicial da sua concepção. Em tudo devem-se buscar condições, as mais favoráveis possíveis, na definição de todos os detalhes do estúdio, para que esteja à altura dos elevados padrões de qualidade de processamento de sinais dos equipamentos disponíveis atualmente e das expectativas dos artistas mais exigentes.

O projeto deve integrar as melhores opções para os volumes internos, para a graduação das absorções sonoras dos seus espaços acústicos para o rigoroso controle de sons, vozes e ruídos intrusos, sejam eles oriundos do meio externo, sejam de dependências anexas ou ainda do próprio mobiliário do estúdio, de suas instalações de ar condicionado e de outros equipamentos.
 

A acústica integrada na ambientação de INDÚSTRIAS
 

Poeticamente afirma-se que a indústria orquestra a sinfonia do desenvolvimento. Os industriais, como os maestros, sabem, porém, que isso só se consegue com inspiração e muita transpiração. Em meio à acirrada concorrência em que vivem, a inspiração vem sendo cada vez mais decisiva para o sucesso e os conduz pelos caminhos mais diversos, porém sempre no sentido da tecnologia e da qualidade do processo produtivo.

Os que têm se saído melhor são justamente os que entenderam que, se buscam a qualidade como um diferencial de seus produtos, ela tem que estar incorporada ao processo produtivo como uma espécie de mentalidade, um empenho solidário de todos, em que cada um põe o melhor de si, de suas idéias e de seu preparo, em prol do êxito coletivo.

Chegar a esse estado de graça entre o senhor das máquinas e suas dezenas, centenas ou milhares de sócios, não é fácil, em meio a complicadas injunções de natureza econômica, política e social. Mas não há outra saída, e a busca, se já não começou, deve começar sem demora.

A qualidade da disposição de todos para com a empresa depende de um intrincado equacionamento de reciprocidades, com dosagens variadas, porém todas no terreno qualitativo. É o que se entende por qualidade integrada do ambiente de trabalho, tomado no sentido amplo, isto é, nos aspectos físico e psicológico.

Nesse contexto cada indústria dará atenção diferenciada a cada um desses aspectos, conforme suas circunstâncias operacionais especificas. Porém o ambiente físico, o local de trabalho propriamente dito, jamais poderá ser esquecido.

É esse o assunto que será desenvolvido a seguir, com o enfoque da ambientação termo-acústica-ilumínica, por ser um dos mais negligenciados e mal resolvidos, em inúmeros projetos de instalações industriais.

Como isolar o som do meu apartamento para não incomodar a vizinha do andar de baixo?

Com o crescimento das cidades e a necessidade de reduções de custo nas construções, este tipo de problema vem sendo muito comum em novas construções e em construções mais antigas. Basta o morador do andar superior ter um piso de madeira ou pedra (granito, mármore, etc), para que todo som de passos de saltos altos ou queda de pequenos objetos sejam ouvidos com extrema clareza no andar inferior.

Para resolver este problema, Davi Akkermann, da Harmonia Acústica Arquitetura e engenharia, diz que a solução é radical. ?Ele terá que trocar o piso e escolher um revestimento que permita a colocação de barreiras de impacto?.
A sugestão para quem quer pisos de madeira ou laminados é a utilização da manta resiliente, um acessório opcional para este piso, facilmente encontrado no mercado.

?A reclamação de barulhos entre andares é a campeã na área de conforto acústico, hoje em dia?.

Segundo Akkerman, a medida mais eficiente no bloqueio do som entre pavimentos deveria ser feita durante a obra. ?O ideal é fazer um piso flutuante?, ensina. 

O que fazer para reduzir o ruído do vizinho de cima de meu apartamento?


Ruído de impacto // ruído aéreo

Geralmente podemos receber dois tipos de ruído de nosso vizinho de cima: ruído aéreo ou ruído de impactos, sendo seus tratamentos diferentes.

O ruído aéreo é aquele que tem sua origem no ar e se transmite através do piso e paredes do prédio entre os distintos ambientes. Os exemplos mais comuns de ruído aéreo em prédios são as conversas, música ou TV. Para isolar este tipo de ruído, o mais recomendado é a instalação de um forro sob a laje superior (nosso teto). Os sistemas mais habituais são os sistemas de painéis rígidos sobre perfis, como por exemplo, os sistemas drywall.

Para um adequado isolamento acústico devemos deixar uma cavidade entre o forro e a laje, colocando material absorvente em seu interior. É importante lembrar que, para um correto isolamento, o forro deve de ter estanqueidade e que se o furarmos para colocar luminárias ou outros acessórios, podemos perder suas propriedades isolantes.

O ruído de impacto é aquele que se produz por impactos ou atritos sobre o piso de nosso vizinho de cima e se transmite através dos elementos estruturais do edifício para os diferentes ambientes.

Alguns exemplos são pessoas caminhando de salto, arraste de móveis, o bater uma bola. O tratamento mais recomendável para evitar este tipo de ruído e para que o impacto não seja transmitido para a estrutura do edifício, seria a instalação de um piso flexível no andar acima do tipo carpete ou vinílico espesso ou ainda o piso flutuante. Um piso flutuante se compõe de um material elástico que se coloca entre a laje e o contrapiso, de forma que os separe da estrutura do edifício, impedindo que o ruído gerado sobre o piso pelos impactos se transmita pela estrutura.

Muitas vezes, este tratamento acaba sendo complicado, já que requer a instalação do piso flutuante sobre a laje do vizinho de cima e isso nem sempre é possível, após o edifício habitado. Os tratamentos para ruído de impactos mediante forros no teto não são eficazes.

O que fazer para reduzir o ruído do vizinho do lado de meu apartamento?

Geralmente, por critérios econômicos, trata-se a parede geminada com revestimento sobre perfis, como por exemplo, sistemas drywall e material absorvente na cavidade. Este tratamento é muito eficaz se o problema de ruído acontece por conta de um isolamento fraco da parede de geminação. Porém, o isolamento entre dois recintos não depende só da parede separadora, pois existem as chamadas pontes acústicas em outros elementos de contorno que debilitam o isolamento e que podem ser dificilmente identificáveis, sendo recomendável a opinião de um especialista.

O que fazer em relação aos ruídos externos de meu apartamento, como ruído do trânsito e outros?
 

A parte mais fraca de uma fachada é a janela e portanto é onde devemos atuar ante os problemas de ruídos externos, já que ela é quem determina o isolamento de nossa fachada.

O isolamento acústico de uma janela depende do isolamento de seus componentes, geralmente caixilho e vidro, e de sua estanqueidade. O que for mais fraco deles vai determinar o isolamento conjunto da janela pelo que não adianta descuidar de qualquer um deles.

Como caixilho, temos diversos materiais (alumínio, aço, PVC, madeira) se bem que este não é o aspecto mais crítico, desde que mantenha-se a estanqueidade. Uma janela tem três pontos críticos que devem ser tratados.  Estes pontos são:

  • a união do vidro com o caixilho
  • o  sistema de fechamento (de abrir, de correr, fixa) que depende dos pontos de fechamento e das juntas de estanqueidade. Neste ponto, a de correr é a de maior dificuldade de vedação.
  • a união da janela com a alvenaria de fachada. Não adianta investir em uma boa janela se a instalação não estiver adequada.

O vidro ocupa cerca de 80% da superfície de uma janela e portanto o isolamento acústico dependerá deste. Como regra geral, quanto maior a espessura do vidro, maior o isolamento. Existem no mercado vidros laminados com PVB acústico que melhoram ainda mais o desempenho da janela. Os vidros duplos possuem um bom desempenho térmico e acústico, mas devem ser aplicados com cautela.

Além das janelas simples, existem janelas duplas compostas por dois caixilhos com uma separação no meio para aplicações que precisem de um elevado isolamento acústico.

Como reduzir os ruídos de tubulações e instalações hidrossanitárias em meu edifício?

As instalações hidráulicas prediais são a causa de numerosas reclamações dos moradores de apartamentos. São frequentes as reclamações do ruído causado pela tubulação de esgoto do vizinho de cima no caso de suítes. O tratamento deste problema passa por não fixar rigidamente as tubulações nos elementos estruturais, senão interpor fixações elásticas. Assim mesmo, as tubulações devem ser cobertas por materiais isolantes que reduzam o ruído do fluxo e serem fechadas mediante forros ou vedações estanques.

Likata - Directório web de Portugal - Música

Submit

 

Espuma Acústica SP Espuma Acustica BH
Espuma Acústica DF Espuma Acustica PR
Espuma Acústica RJ Espuma Acustica RS
Espuma Acústica ES Espuma Acustica GO
Espuma Acústica MS Espuma Acustica CE
Espuma Acústica MG Espuma Acustica MT
Espuma Acústica MA Espuma Acustica BA
Espuma Acústica SC Espuma Acustica PA
 

 

  • A partir de: R$ 400,00
    Comprar

    Espuma Acustica Hexagonal Grande 50c - Kit

    Espuma acústica antichama fabricada em poliuretano em formato hexagonal nas medida de 62,5 Comp. x 54,4 Larg. x 2 cm. Kit com 6 placas + 1 cola cobre 1,56m². Material de alta qualidade com 26 Kg/m³ de densidade e otimo acabamento com bordas chanfradas.

  • A partir de: R$ 290,00
    Comprar

    Espuma Acustica Redonda Clean 125mm - Kit

    Espuma acustica redonda Clean com 1,25m de diâmetro e espessuras de 2..3 ou 5 cm para colocar coladas ao teto ou nas paredes. Placa leve com 35 Kg/m³ de densidade e de facil instalação. Antichamas classe A com excelente absorção em diversas cores

  • A partir de: R$ 140,00
    Comprar

    Espuma Acustica 50x50cm Grafite Economic - Kit

    Kit de Espuma Acustica antichamas com 10 placas de 50x50x2cm Lisa Grafite ou 10 placas de 50x50x2,5cm ondulada Grafite + 1 cola. Material seguro! Atende NBR 9178 com densidade de 26 Kg/m³. Bordas chanfradas! Kit cobre 2,50m².

  • A partir de: R$ 780,00
    Comprar

    Espuma Acustica Sonique Clean 30 Cln - Kit

    Espuma acústica com 30mm de espessura e 35 kg/m³ de densidade. Possui acabamento com pelicula de tinta superficial. Atende NBR 9442 Classe A. São 8 placas de 62,5x62,5cm + 2 tubos de cola. Kit cobre 3,12m². Top de linha Vibrasom!